Rádio Esmeralda

TEL: (54) 3231.7800 | (54) 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS) | (54) 9 8418.6298 (WHATSAPP)

Compartilhar

facebook twiter google plus linkedin

classificados


  • CLASSIFICADOS 18/10/2019



    EMPREGOS



    - Contrata-se Vendedor ou vendedora com experiência comprovada para trabalhar no setor de auto peças. Int. entregar currículo na Rua Silveira Martins nº 102 fundos entrar em contato ou pelo fone 3232 9323.



     



    - Contrata-se uma pessoa para trabalhar com vendas pela internet. Int. Tratar na CSM Acessórios ou pelo fone 3232 2320.



     



    - Evoluir seleciona vendedor para loja de roupas (Moda Jovem) necessário ter afinidade com redes sociais, interesse em moda, experiência com vendas e ensino médio completo. Int. enviar currículo com foto para
    evoluir.solucoes@gmail.com.



     



    IMÓVEIS



    - Vende-se ou arrenda-se área total de 100 hectares, 50 hectares já preparado para o plantio de soja, com açude e Rio a 24 km de Vacaria. Int. Tratar pelo fone 9 9973 1681.



     



    - Vende-se terreno com 500m² em Muitos Capões. Int. Tratar pelo fone 9 9623 3115.



     



    ANIMAIS



    - Foi perdido um cachorro branco com amarelo, com as orelhas cortadas, pitoco nas proximidades da bica d’água na BR 116. Quem encontrar entrar em contato pelo fone 9 9237 1202 com Jeferson. Gratifica-se.



     



    - Vendem-se filhotes de Dogo Argentino com Fila Brasileiro, valor R$500,00. Int. Tratar pelo fone 9 9192 6550.



     



    VEICULOS



    - Disponibiliza-se para locação tratores Massey 296 TL 100, plantadeiras Shm 1517, 7 Linhas , Personalle 21, 8 linhas de verão, para plantio de milho e soja. Cobra-se por hectare. Int. Tratar pelo fone 9 9999 3732.



     



    - Disponibiliza-se para locação, trator TL100 4x4, cabinado, pulverizador 800 litros 16 metros de barras hidráulico, com caminhão tanque para acompanhamento, e roçadeira 1,80m. Int. Tratar pelo fone 9 9999 3732.



     



    - Disponibiliza-se para locação trator 6 cilindros 4x4, aradora 18 discos hidráulica, grade niveladora 54 discos hidráulica, e subsolador para preparo de solo. Locação cobrada por hectare. Int. Tratar pelo fone 9 9999 3732.



     



    - Compra-se uma F1000 de ano 90 a 92, em estado original de preferência com carroceria boiadeira com engate rápido, entrega-se um palio ano 2007 em ótimo estado no negócio. Int. Tratar pelo fone 9 9998 0103 ou 9 9969 5037.



     



    - Troca-se uma moto DT 180 documentada ano 82 por carro. Int. Tratar pelo fone 3232 0281.



     



    - Troca-se moto Honda 150 por carro. Int. Tratar pelo fone 3232 0281.



     



    - Troca-se um caminhão toco Mercedes por um caminho truck paga-se diferença a vista. Int. Tratar pelo fone 9 9952 9697.



     



    DIVERSOS



    - Foi perdido em um ônibus urbano um óculos de grau preto. Quem encontrar entrar em contato pelo fone 9 9250 9098. Gratifica-se.



     



    - Foi perdido um óculos de grau estava dentro de um estojo preto, no trajeto da resfriar, passando pela Igreja N. Sra de Fátima até a escola Bom Jesus. Quem encontrar entrar em contato pelo fone 9 9173 8639. Gratifica-se.



     



    - Vendem-se blocos de cimento. Int. Tratar pelos fones 9 9694 2461 ou 9 8159 2833.



     



    DOCUMENTOS



    - Foram encontrados os documentos de:



    Andre Henz



    Antenor Antunes Rodrigues



    Evandro Luis Clunc



    Everton Luis Teixeira Passos



    Fernanda Cecília Guder dos Santos de Mello



    Fernanda Vargas Fontoura



    Ingrid Priscila Almeida Marques



    Ivete Fátima Faustino



    Kylza da Silva Nunes



    Victor Ryan Martins



    Os mesmos devem retirar na Portaria da Rádio Esmeralda, em horário comercial.


Six Interfaces Figueiró Super Util

Região

Saiba como os gargalos na infraestrutura emperram o Estado

04/01/2015
Com tecnologia de ponta, o Rio Grande do Sul é um dos destaques em produção de grãos no país. A agricultura de precisão garante desempenho de dar inveja a concorrentes no mundo. A eficiência no campo, que tanto orgulha os gaúchos, vai até a porteira. Da fazenda até o porto, onde a mercadoria é embarcada para outros destinos, 13% da produção colhida se perde. Uma combinação de fatores nocivos – pouco uso de hidrovias, ferrovias desconectadas e estradas esburacadas – contribui para que o alimento produzido no Estado chegue muito mais caro à mesa do consumidor gaúcho. Produtores que ambicionam o centro do país são obrigados a encarar rodovias em péssimas condições porque a extensão da pista do aeroporto Salgado Filho limita o peso da carga que os aviões podem transportar. Menos competitiva frente aos concorrentes, a produção gaúcha enfrenta dificuldade para crescer, a economia não avança, a arrecadação de impostos encolhe e o Estado é obrigado a se endividar mais para conseguir investir, formando um círculo perverso. O nó da infraestrutura, que tanto asfixia o desenvolvimento, é um dos pontos de maior complexidade que o governador José Ivo Sartori tem pela frente. O custo logístico não para de crescer, apontam dados da Agenda 2020 – movimento que propõe o planejamento a longo prazo para o Estado. Em 2013, equivalia a 19,46% do Produto Interno Bruto. Em 2014, deve ter alcançado 19,83%. Ou seja, um quinto do preço de tudo que se paga é em decorrência das más condições de infraestrutura. Nos Estados Unidos, não passa de 8,5%. Na Europa, fica abaixo de 8%. – Conseguir parar o avanço desse custo logístico já seria uma vitória – afirma Paulo Menzel, presidente da Câmara Brasileira de Logística e Infraestrutura e integrante da Agenda 2020. Encontrar soluções é uma missão que não caberá apenas ao governador recém-empossado. Parte delas, como implantação de ferrovias e a construção de aeroportos regionais, depende de decisão federal e do empenho da bancada gaúcha no Congresso na busca por recursos. Outras dependem diretamente de escolhas feitas por Sartori e seu secretariado. ZH aborda três pontos considerados prioritários por especialistas na área: estradas, energia e aeroporto. Reduto de algumas das piores estradas do país, o Rio Grande do Sul sofre de um mal que, se continuar como está, tende a piorar: o valor investido em melhorias nas rodovias avança em ritmo muito mais lento do que o necessário. Cálculos do Sindicato da Indústria da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem em Geral no Rio Grande do Sul (Sicepot-RS) apontam que o nível de investimento para recuperar o atraso das estradas gaúchas e baixar o custo do transporte ao nível de países desenvolvidos seria de pelo menos R$ 1 bilhão ao ano, mais do que o dobro da média anual aplicada na última década. Criada pelo governo Tarso Genro em julho de 2012 como novo modelo de cobrança de pedágio, a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) deve perder protagonismo daqui para a frente, já indicou o governador José Ivo Sartori, que fala em apostar em concessões e em parcerias publico-privadas para melhorar as rodovias. A extinção da EGR está descartada. A empresa administra 900 quilômetros de estradas, que estão recebendo R$ 180 milhões em investimentos. Até agora, foram recuperados apenas 324,5 quilômetros. A previsão era de que alcançasse 524 até o fim de 2014 e 579 até março de 2015. Entre as melhorias previstas, está a da ERS-324, que passa por municípios da zona da produção, como Marau e Passo Fundo. Também no Noroeste, a ERS-305 é outro símbolo da má qualidade do pavimento, que causa perdas à economia gaúcha. A rodovia poderia ser utilizada para escoar parte da produção agrícola da região e ser rota de transporte de carga para o centro do país. As condições são tão ruins – e os buracos, tão grandes – que motoristas de carretas são obrigados a desviar do trecho. A saída mais em conta aumenta o tempo de viagem e o gasto com combustível em mais de três vezes. Foco de promessas eleitorais a cada quatro anos, cidades sem acesso pavimentado são outro problema. Pelo menos 72 municípios gaúchos só são alcançados por meio de chão batido. Quando comparada com os Estados do Sul, a situação gaúcha é ainda mais crítica: em Santa Catarina, todas as cidades têm acesso asfaltado. Na comparação com o Paraná, Estado com economia e população semelhante, o Rio Grande do Sul também fica atrás: apenas quatro dos 399 municípios paranaenses ainda não contam com rodovias pavimentadas. Outro dilema emblemático pela frente é a conclusão da ERS-118, uma das principais rodovias da região metropolitana. Com volume de tráfego que chega a 60 mil veículos por dia, a estrada já foi alvo de promessas de pelo menos cinco governos.
Fonte:ClicRBS

Compartilhar

facebook twiter google plus linkedin

Comente este post!